quinta-feira, 13 de junho de 2013

Casal sul-africano percorre Portugal a pé


1900 Kms pela promessa de um mundo melhor 
José (Joe) Pereirinha e Brigitte Zoghby, um casal sul-africano, estão a percorrer Portugal a pé, numa caminhada que teve início e finalizará em Setúbal. Há quatro semanas nas estradas do sul do país e após 700 quilómetros percorridos, José e Brigitte chegaram a Nisa e contaram-nos os motivos e sucessos desta sua aventura pedestre.
José Pereirinha tem 58 anos e nasceu em Pedrógão Pequeno, filho de pais alentejanos, do Torrão. Ainda pequeno rumou até Moçambique, para onde o pai foi trabalhar na construção de uma barragem. Malawi, Zimbabué e África do Sul, onde se fixou em 1978, foram os países em que viveu. É gerente de um restaurante em Joanesburgo, do qual a sua amiga, Brigitte Zoghby, de 53 anos, é cliente habitual. 
José Pereirinha explicou-nos como nasceu a ideia desta caminhada pelas estradas de Portugal.
“Há 3 anos estive quase a morrer. Caí três vezes, no restaurante, sem ninguém saber. A última vez fiquei com muitas dores e mal me tinha de pé. Prometi, então, que se ficasse bom, faria qualquer coisa em benefício de pessoas pobres. A primeira coisa que ocorreu foi contornar, a pé, a África do Sul. São mais de 6 mil quilómetros e fiz as contas: demoraria mais de um ano. Não podia ausentar-me do restaurante durante tanto tempo. Aí pensei, por que não ir conhecer o país onde nasci?”
Expôs a sua ideia à amiga Brigitte, com experiência de caminhadas, e começaram a treinar em conjunto, percorrendo todas as manhãs entre seis e sete quilómetros.
Prepararam as malas para a viagem a Portugal, os clientes do restaurante e amigos incentivaram-nos e arranjaram diversos patrocinadores. Até uma rádio local de Joanesburgo, a 702 Talk Rádio Interview, deu destaque à iniciativa e todos os dias entra em contacto directo com os dois caminheiros, explicando aos ouvintes, os contornos desta aventura por terras portuguesas.
José e Brigitte não têm palavras para definir a beleza e os cambiantes das paisagens por onde têm passado. Acharam as pessoas um pouco tristes e melancólicas. Elogiaram, no entanto, o acolhimento e a simpatia com que têm sido distinguidos pelas corporações de bombeiros, um apoio que consideram inestimável para concretizarem esta iniciativa, bem como a amabilidade e apoio com que foram acolhidos pelo senhor João Junceiro, em Alpalhão.
Seguiram para norte, rumo a Vila Velha de Ródão e Sertã, sob a ameaça de chuva. José quer mostrar à companheira de viagem, a terra onde nasceu, a Barragem do Cabril e outras que o pai ajudou a erguer, enquanto ele, menino, brincava.
Ao fim de três meses, espera ter a caminhada concluída e visitar, finalmente, a terra dos seus pais: a aldeia do Torrão, perto de Alcácer do Sal. Uma aventura cujo percurso pode ser acompanhado no site  www.strides4strokes.wordpress.com ou www.facebook.com/strides4strokes , e no qual os visitantes podem contribuir com donativos para a Heart and Stroke Foundation South África, associação de ajuda na área da cardiologia.
Mário Mendes