quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Poesia social do Alentejo (2)

Camponês

O amor do camponês
Não dura mais que uma hora
Quando chega o fim do mês
Deixa tudo e vai-se embora

O camponês é gaiato
Já trabalha na herdade
Sente uma certa amizade
Pelo pano cru do seu fato
Manda tirar o retrato
Com orgulho e altivez
O retrato de um maltês
Uma linda criatura
Sempre é sol de pouca dura
O amor do camponês

Vai à feira de S. Miguel
Gosta muito de ir à feira
Uma noite dorme em Fronteira
Na outra noite em Sousel
Chega a perder um quartel
Essa vida ele adora
O camponês já namora
E é a filha do patrão
Mas essa grande paixão
Não dura mais que uma hora

Camponês de Baleizão
De Estremoz e Flor da Rosa
De Borba e Vila Viçosa
De Portalegre e Marvão
Do Crato e de Alpalhão
Tanto trabalho já fez
E descansa pouca vez
Para fazer um mealheiro
E já tem algum dinheiro
Quando chega ao fim do mês

O camponês tem alegria
Alegria e sentimento
Andar à chuva e ao vento
Nem sempre dá arrelia
O camponês de Pavia
De Cabeção e de Mora
O camponês até chora
No dia da abalada
Mas no fim da temporada
Deixa tudo e vai-se embora.
Manuel Luís Caeiro, de Pavia 

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

VAMOS FAZER UM PETISCO

SALADA DE NISA
Ingredientes:
1 alface pequena
500 g de tomate
1 cebola grande
200 g de atum em lata
12 azeitonas pretas
3 colheres (sopa) de azeite
1 colher e 1/2 (sopa) de vinagre de vinho
1/2 colher (chá) de sal
1 pitada de pimenta branca
2 ovos cozidos.
Preparação:
Separe as folhas de alface, lave bem, enxugue e corte aos bocadinhos. Lave os tomates e corte-os em oitavos. Descasque a cebola e corte-a às rodelas fininhas. Corte o atum e deixe escorrer o azeite. Misture tudo com azeitonas. Bata o azeite com o vinagre, o sal e a pimenta, e deite-os gota a gota na salada. Descasque os ovos e parta-os em oitavos.