quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Poesia social do Alentejo (2)

Camponês

O amor do camponês
Não dura mais que uma hora
Quando chega o fim do mês
Deixa tudo e vai-se embora

O camponês é gaiato
Já trabalha na herdade
Sente uma certa amizade
Pelo pano cru do seu fato
Manda tirar o retrato
Com orgulho e altivez
O retrato de um maltês
Uma linda criatura
Sempre é sol de pouca dura
O amor do camponês

Vai à feira de S. Miguel
Gosta muito de ir à feira
Uma noite dorme em Fronteira
Na outra noite em Sousel
Chega a perder um quartel
Essa vida ele adora
O camponês já namora
E é a filha do patrão
Mas essa grande paixão
Não dura mais que uma hora

Camponês de Baleizão
De Estremoz e Flor da Rosa
De Borba e Vila Viçosa
De Portalegre e Marvão
Do Crato e de Alpalhão
Tanto trabalho já fez
E descansa pouca vez
Para fazer um mealheiro
E já tem algum dinheiro
Quando chega ao fim do mês

O camponês tem alegria
Alegria e sentimento
Andar à chuva e ao vento
Nem sempre dá arrelia
O camponês de Pavia
De Cabeção e de Mora
O camponês até chora
No dia da abalada
Mas no fim da temporada
Deixa tudo e vai-se embora.
Manuel Luís Caeiro, de Pavia 

TOLOSA (Nisa): XII Passeio TT - Motos e Quads


terça-feira, 28 de janeiro de 2014

POESIA SOCIAL DO ALENTEJO (I)

Moças de Bencatel (1908)
 Ó moças de Bencatel,
Não vos zangueis se vos ralho:
Muito amor, pouco trabalho;
Pouco trigo, muito mel;
- Fiai-vos no que vos digo
E não fiqueis mal comigo,
Ó moças de Bencatel –
Para vós, para a lavoura,
Tomai tento, melhor fora
Muito trigo e pouco mel.

Vejo terras de pousio,
Que andaram sempre lavradas,
Todas cobertas de flores;
Mas quando chegar o frio
E passarem os calores,
E as chaminés apagadas
E as camas sem cobertores,
Mal irá às namoradas
E pior aos lavradores.

Funçanatas e derriços,
Cantigas e pasmaceiras,
Fazem fugir aos serviços
E faltar às sementeiras:
Eis porque estão os cortiços
Abarrotados de mel
E estão desertas as eiras,
Ó moças de Bencatel.

Como abelhas, as cantigas,
Por entre moitas e brejos,
Fabricam favos de beijos
Nas bocas das raparigas,
E os mocetões das aldeias,
Sem canseiras nem cuidados,
Largam ancinhos e arados
Para crestar as colmeias...

Ó moças de Bencatel,
Vós tendes as bocas cheias...
Acautelai-vos, senão
Haveis de ficar sem mel,
Sem maridos e sem pão!
Conde de Monsaraz
(Musa Alentejana, Lisboa, 1908)
Desenho de Manuel Ribeiro de Pavia 

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

JANEIRO: Cai neve no Alentejo...

Uma bela foto tirada no dia 17 de Janeiro, em Marvão. De quando em vez cai neve no Alentejo e o acontecimento oferece-nos imagens de rara beleza.

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Exposição ao Ministro da Agricultura (1934)

O ministro Passos tirou da cartola, não um coelho, mas mais uma das suas ideias luminosas para extorquir dinheiro aos mais pobres. Exige o ministro Coelho e a sua vistosa parceira da Agricultura, que os pequenos agricultores se inscrevam nas Finanças, para lhe poder controlar os passos e a produção de couves e nabiças.
Vem a propósito, por isso, uma “Exposição” dirigida ao Ministro da Agricultura, em Fevereiro de 1934 e que com toda a actualidade que mantém, pode ser endereçada também à Luisinha das Finanças e ao próprio primeiro-ministro.

Ao Excelentíssimo Senhor Ministro da Agricultura
Exposição

Porque julgamos digna de registro
a nossa exposição, senhor Ministro,
erguemos até vós, humildemente,
uma toada uníssona e plangente,
em que evitámos o menor deslize
e em que damos razão da nossa crise.

Senhor! Em vão, esta província inteira,
desmoita, lavra, atalha a sementeira,
suando até à fralda da camisa.

Falta a matéria orgânica precisa
Na terra, que é delgada e sempre fraca.
- A matéria, em questão, chama-se caca.

Precisamos de merda, senhor Soisa!
E nunca precisámos de outra coisa.

Se os membros desse ilustre Ministério
querem tomar o nosso caso a sério,
se é nobre o sentimento que os anima,
mandem cagar-nos toda a gente em cima
dos maninhos torrões de cada herdade.


E mijem-nos, também, por caridade!

O senhor Oliveira Salazar
quando tiver vontade de cagar
Venha até nós!...

Solícito, calado,
busque um terreno que estiver lavrado
e,... como Presidente do Conselho,
queira espremer-se até ficar vermelho!

A Nação confiou-lhe os seus destinos?...
Então, comprima, aperte os intestinos;
se lhe escapar um traque, não se importe,
... quem sabe se o cheirá-lo nos dá sorte?
Quantos porão as suas esperanças
num traque dos Ministro das Finanças?...
E quem viver aflicto, sem recursos,
Já não distingue, os traques, dos discursos.


Não precisa falar! Tenha a certeza
que a nossa maior fonte de riqueza,
 desde as grandes herdades às courelas,
provém da merda que juntarmos nelas.

Precisamos de merda, senhor Soisa!
E nunca precisámos de outra coisa.

... Adubos de potassa?... Cal?... Azote!?...
Tragam-nos merda pura, de bispote!

E todos os penicos portugueses
durante, pelo menos, uns seis meses,
sobre o montado, sobre a terra campa,
continuamente nos despejem trampa!

Terras alentejanas, terras nuas,
desespero de arados e charruas,
quem as compra ou arrenda ou quem as herda
sente a paixão nostálgica da merda...

Precisamos de merda, senhor Soisa!
E nunca precisámos de outra coisa.

Ah!... Merda grossa e fina! Merda boa
das inúteis retretes de Lisboa!...
Como é triste saber que todos vós
andais cagando sem pensar em nós!

Se querem fomentar a agricultura
mandem vir muita gente com soltura.
Nós daremos o trigo em larga escala,
pois até nos faz conta a merda rala.


Venham todas as merdas, à vontade,
não faremos questão da qualidade.
Formas normais ou formas esquisitas!
E, desde o cagalhão às caganitas,
desde a pequena póia à grande bosta,
de tudo o que vier, a gente gosta.


Precisamos de merda, senhor Soisa!
E nunca precisámos de outra coisa.

Évora, 3 de Fevereiro de 1934
Pela Junta Corporativa dos Sindicatos Reunidos do Norte, Centro e Sul do Alentejo
O Presidente,
Dom Tancredo (o Lavrador)

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

VAMOS FAZER UM PETISCO

SALADA DE NISA
Ingredientes:
1 alface pequena
500 g de tomate
1 cebola grande
200 g de atum em lata
12 azeitonas pretas
3 colheres (sopa) de azeite
1 colher e 1/2 (sopa) de vinagre de vinho
1/2 colher (chá) de sal
1 pitada de pimenta branca
2 ovos cozidos.
Preparação:
Separe as folhas de alface, lave bem, enxugue e corte aos bocadinhos. Lave os tomates e corte-os em oitavos. Descasque a cebola e corte-a às rodelas fininhas. Corte o atum e deixe escorrer o azeite. Misture tudo com azeitonas. Bata o azeite com o vinagre, o sal e a pimenta, e deite-os gota a gota na salada. Descasque os ovos e parta-os em oitavos.

ALPALHÃO: Festejos em honra de São Sebastião


domingo, 19 de janeiro de 2014

Vamos fazer um petisco (1)

Bacalhau de Tomatada
 4 Postas de bacalhau
 2 colheres (sopa) de manteiga
 2 colheres (sopa) de azeite
 2 cebolas grandes descascadas e cortadas em rodelas finas
 2 dentes de alho descascados e picados
 2 tomates pelados sem sementes e picados miudamente
 1 colher (sopa) de concentrado de tomate
 farinha q.b.
 l copo de vinho branco
 sal e pimenta preta moída na altura
Demolhe por vinte e quatro horas as postas de bacalhau, mudando a água várias vezes. Escorra-as, depois de demolhadas, e seque-as bem. Passe-as por farinha. Derreta a manteiga com o azeite. Junte as postas de bacalhau e deixe-as dourar de ambos os lados.
Entretanto, junte à gordura a cebola e o alho picado. Deixe cozinhar por três minutos. Acrescente o concentrado de tomate e o tomate picado. Deixe cozinhar por mais três minutos. Regue com o vinho branco e deixe levantar fervura. Tempere de sal (pouco) e pimenta. Deixe ferver para evaporar um pouco.
Junte as postas de bacalhau. Se necessário, acrescente um pouco de caldo de peixe ou água. Tape e deixe cozinhar. Sirva com batatas fritas em rodelas.

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

POESIA DO ALENTEJO

É V O R A
Terra branca onde o sol mora
e onde a saudade faz bem...
Teus palácios cor da aurora
em ruas cheias de outrora
onde o tempo se detém.

Aqui a noite é calada
com medo de te acordar.
E ao romper de madrugada
pareces - tão sossegada! -
Uma pomba a descansar.

E quando o luar te abraça
por se julgar teu irmão,
até parece que passa
Nossa Senhora da Graça
à Porta de Santo Antão!

Desde a Rua da Ladeira
À Rua do Salvador
tens a cor e a maneira
da moça que se fez freira
por um desgosto de amor...

Terra branca onde o sol mora
e a idade é formosura:
só queria, cidade moura,
que esta alma que em mim chora
tivesse a tua brancura!


Rosa Lobato de Faria (1960)

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

NISA: Encontro com o Prof. Jorge Rio Cardoso

Encontro em Nisa com o Prof. Jorge Rio Cardoso
Autor dos livros "O Método ser bom aluno - Bora lá" e o "Professor do Fututo"
Quarta-Feira, dia 5 de Fevereiro - Agrupamento de Escolas de Nisa
15h - Sessão para alunos

18h - Sessão para pais e professores

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Sporting de Nisa organiza Campeonato Distrital de Corta-Mato

 O 1.º Corta-Mato do Sporting Clube de Nisa é uma prova de atletismo (corta-mato) e realiza-se no dia 1 de Fevereiro de 2014, entre as 15h00 e as 17h00, nos terrenos da Zona de Atividades Económicas, organizado pelo Sporting Clube de Nisa com o apoio da União de Freguesias do Espírito Santo, Nossa Senhora da Graça e São Simão e da Câmara Municipal de Nisa e a colaboração técnica da Associação de Atletismo do Distrito de Portalegre.
Nesta competição será disputado o Campeonato Distrital de Corta-Mato que se regerá pelo regulamento em anexo.
A competição integra a Liga AADP Corridas.

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Nisa inaugura colheitas de sangue 2014



A primeira brigada levada a cabo pela Associação de Dadores Benévolos de Sangue de Portalegre – ADBSP – em 2014 foi em Nisa e no primeiro sábado de Janeiro. No quartel dos bombeiros juntaram-se 28 voluntários, dos quais 13 do sexo feminino (46,4 %).
Uma vez realizados os exames de saúde: três dos presentes não puderam colaborar, mas sempre foram angariadas 25 unidades de sangue.
Um homem e uma mulher estrearam-se a doar sangue. Em termos do Registo Português de Dadores de Medula Óssea efectuaram-se quatro inscrições.
O almoço convívio efectuou-se num restaurante local e foi comparticipado pela Câmara Municipal de Nisa.
António Eustáquio, da ADBSP, ambicionava uma participação mais vincada, até por que se trata de uma vila que no passado teve afluências bem mais expressivas. Mas o ser tempo de festividades e também as agrestes condições atmosféricas que se fizeram sentir trataram-se de factores que poderão ter limitado o número de presenças. Seja como for: houve estreantes a doar sangue e mais voluntários dispostos a compartilhar medula óssea
Castelo de Vide
A ADBSP leva a efeito, proximamente, a seguintes brigadas: 01 de Fevereiro no Centro de Saúde de Castelo de Vide.
Realiza-se esta acção num sábado: entre as 09.00 h e as 13.00 horas (impreterivelmente).
Esperamos por si!
JR

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

NISA: Festas em honra de S. Sebastião (Mártir Santo)

Cinco dias de festa com muita música, calor e animação
Organizadas pela Associação de Amigos do Mártir Santo, realizam-se nos dias 20, 23, 24, 25 e 26 de Janeiro, os festejos populares em honra de S. Sebastião.
Este ano com um programa festivo bastante diversificado, que integra as celebrações religiosas e outras de carácter mais vincadamente pagão, as festas do Mártir Santo têm início no dia 20, consagrado a santo popular, às 17,30h com a oração do terço, seguida de missa solene e procissão, entre a capela e a Igreja Matriz.
No dia 23, quinta-feira, os festejos abrem com o acender do lume, a imponente fogueira que será presença constante calorosa durante o fim-de-semana festivo e haverá animação musical a cargo de Fábio Martins e Pito.
O baile animado pelo músico Marco Morgado e a actuação do Grupo de Sevilhanas da Escola Silvina Candeias, completam o programa do dia 24, sexta-feira.
No sábado, o destaque vai para o sempre aguardado lançamento do balão, seguido do não menos imponente espectáculo de fogo de artifício, e pela cerimónia de oferta de equipamento à Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Nisa, um gesto de grande significado e que honra a Comissão de Festas.
Antes, pelas 16 horas, haverá animação no recinto das festas com o grupo de danças da Cerci Portalegre e pinturas faciais, e à noite não faltará a alegria contagiante do músico Zé Águas para dar cor e animação aos primeiros festejos populares do ano.
No domingo, dia 26, o bar e o bazar abrem mais cedo, logo a seguir ao almoço. É o último dia das festas do Mártir Santo e aquele em que os devotos de S. Sebastião acorrem ao local para deixaram os seus presentes, designados por ramos e fogaças, destinados a serem leiloados, colocados em arrematação, acto a que dá especial significado o artista popular nisense Diogo Guerra.
A animação musical não faltará, desta vez, com o desempenho de Marco Paulino.
A Comissão de Festas lembra que durante os dias dos festejos e para condimentar os mesmos, haverá um esmerado serviço de bar com frangos, bifanas, cacholeiras, caldo verde e açorda alentejana.
Caso para dizer que os visitantes podem abanar o capacete à vontade que a barriga não terá motivos para “dar horas”.
Mário Mendes