sexta-feira, 28 de agosto de 2015

II Trail Running Vila de Nisa no dia 8 de Novembro

II TRAIL RUNNING VILA DE NISA
8.NOVEMBRO.2015
Mais informações:
http://trailviladenisa.blogspot.pt/
Trail Longo 30KM | Trail Curto 15KM | Caminhada

INSCRIÇÕES ABERTAS

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

NISA: Francisco Ceia apresenta o livro “Terra da Paciência” e interpreta canções suas

O Auditório da  Biblioteca Municipal de Nisa acolhe, no  dia 5 de Setembro, sábado, às 11H30,  a apresentação do  romance de Francisco Ceia “Terra da Paciência”.
Natural de Portalegre, Francisco Ceia inicia, em 1976, a sua carreira no teatro, primeiro como ator no CENDREV, em Évora, e depois como encenador e ator no Teatro do Semeador, companhia que funda em 1980, em Portalegre. A par do teatro, dedica-se à música, compondo, interpretando e apresentando espetáculos no país e no estrangeiro. Colabora ainda em vários programas da RTP como ator e músico, destacando-se a sua participação na série "A Casa do Mocho Sábio". A partir dos anos 80, dedica-se sobretudo à música, com participações no Festival Internacional “Womad” e no Festival RTP da Canção, tendo editado 14 trabalhos discográficos.
No plano literário, Francisco Ceia publicou em 2012 “Jogo de Janelas” e edita agora “Terra da Paciência” com o mesmo propósito de agitar e despertar consciências através da palavra e da leitura, embora com uma forma estilística bem diferente. A partir da observação atenta da humanidade e da realidade circundante, o autor extrai retratos que interpelam o leitor e o convidam à reflexão crítica da história social de ontem e de hoje.
Francisco Ceia refere que este livro é para ser interpretado através dos diferentes olhares e vivências de cada leitor. “O livro pretende mexer com as pessoas, contar-lhes histórias que despertem um espírito interventivo e as afaste de uma atitude conformista em relação às coisas. Vivemos numa sociedade em que, muitas vezes, andam a tratar-nos como imbecis e é importante que não nos deixemos resignar e tratar dessa maneira”. A mensagem está aliás subjacente no título “ Terra da paciência” que, de acordo com o autor, acaba por ser uma metáfora daquilo que é, ou deve ser, a postura do ser humano que “deve ter capacidade e paciência para resistir quando confrontado com as diversas adversidades que se apresentam ao longo da vida”.
À semelhança de “ Jogo de Janelas ”, Raul Ladeira foi o responsável pelo design da capa, que nos remete para figuras bíblicas de pantomina, medievais tentações, marionetas alentejanas e terras de paciência sobre fundo negro.

Durante a apresentação, Francisco Ceia interpretará algumas das canções de que é compositor e intérprete.
CMNisa

USNA repudia atitude de retaliação do presidente da Câmara do Crato

A União dos Sindicatos do Norte Alentejano (USNA) repudia a atitude de retaliação do Sr. Presidente da Câmara do Crato face ao justo processo de luta levada a cabo pelos professores e seu sindicato de classe, o Sindicato dos Professores da Zona Sul (SPZS), contra a Municipalização da Educação.
Os trabalhadores da escola EB/JI Professora Ana Maria Ferreira Gordo do Crato foram os únicos trabalhadores desta autarquia que não foram pagos esta segunda-feira mas não estão sozinhos! O Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Sul e Regiões Autónomas (STFPSSRA) bem como o Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local (STAL) rapidamente se dirigiram à escola prestando a sua solidariedade e encetando os meios jurídicos necessários para que a situação se resolva o mais rapidamente possível. Estes trabalhadores, como já afirmaram o STFPSSRA e o STAL, estão afectos à autarquia desde 2009 e nada têm a ver com a justa providencia cautelar intreposta pelo SPZS que suspende o processo de Municipalização da Educação! O não pagamento dos seus vencimentos não tem a menor base legal, é crime, e foi a única forma de retaliação encontrada pelo Sr. Presidente da Câmara do Crato contra a luta que vem sendo desenvolvida pelos trabalhadores e seu movimento sindical de classe, a CGTP-IN.
A USNA quer mais uma vez reafirmar a necessidade de travar o processo de municipalização da educação que está em curso sem que nenhuma das partes envolvidas fosse ouvida excepto os que estão já comprometidos com a politica de destruição do estado social. A municipalização da educação significará mais professores sem colocação, menos funcionários a apoiarem as actividades lectivas, a concentração dos alunos em centros escolares, em turmas sobrelotadas e consequente encerramento de escolas um pouco por todo o país mas sobretudo nas aldeias do interior, a determinação de um currículo mais pobre, na prática mais um passo rumo à efectivação de um país a várias velocidades.
Só a luta dos trabalhadores e das populações pode travar esta e outras ofensivas de destruição do que foi construído com a revolução de Abril!

A Comissão Executiva da USNA/cgtp-in

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

MONTALVÃO (Nisa): Festas da Vila em honra da Senhora dos Remédios

As Festas da Vila em honra de Nossa Senhora dos Remédios vão animar durante cinco dias, de 4 a 8 de Setembro, a localidade raiana de Montalvão, no concelho de Nisa e no extremo norte do Alentejo.
O programa dos festejos aqui fica, ao cuidado de residentes e forasteiros com co convite para uma visita a esta antiga vila cheia de história e tradições, localizada a dois passos do magnífico rio Sever e da vizinha Espanha. A festa taurina e a romaria à Senhora dos Remédios são os principais destaques desta tradicional festa.
PROGRAMA
Dia 4 – Sexta-feira
16 H – Abertura do bar
21, 45h – Música e baile com o grupo Ténis Bar
02,30h – A festa prossegue com a música do dj Andy John
Dia 5 – Sábado
10,30 H – Peditório da Colcha
16,30H – Tourada à Vara Larga – Gado da Ganadaria Simão (Póvoa e Meadas)
21, 45h – Música e baile com a famosa Banda Giga
02,30h – Abana o capacete, desta vez ao ritmo de Poppy
Dia 6 – Domingo
16,30 H – Tourada à Vara Larga e Concurso de Pegas. Participação dos Forcados Amigos da Penha (Portalegre) e Amigos de Santo António das Areias. A banda da Sociedade Musical Nisense animará este grandioso espectáculo taurino
21,45H – Marco Paulino traz a animação musical e convida para um pezinho de dança
Dia 7 – Segunda-feira
15h - Abertura do bar
16H – Jogos tradicionais no recinto das festas
21, 45h – Música e baile com o Duo Eclipse
Dia 8 – Terça-feira
É o dia da tradicional romaria à Senhora dos Remédios, a 2 quilómetros da vila, onde será celebrada Missa e Procissão pelo meio-dia.
Depois e junto à ermida a música de Marco Paulino animará os romeiros.
Às 16 H e no recinto anexo à ermida haverá Tourada à Vara Larga, novamente com a colaboração da Ganadaria Simão (Póvoa e Meadas).

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

CDU alerta: "Parque Natural da Serra de São Mamede com falta de meios humanos e logísticos para fazer face às necessidades "

A candidatura da CDU pelo Distrito de Portalegre às Eleições Legislativas de 2015 reuniu hoje com o Director do departamento do Instituto da Conservação da Natureza e Florestas do Alentejo (ICNF), que assume a direcção do Parque Natural de São Mamede. Nesta reunião onde esteve também presente um técnico do Parque Natural, responsável pela gestão florestal, estiveram por parte da delegação da CDU, Manuela Cunha, Dirigente de Os Verdes e cabeça-de-lista da CDU, Joel Moriano, segundo elemento da lista e a mandatária distrital Fernanda Bacalhau.
Nesta reunião a CDU colocou preocupações relacionadas com as questões de ordenamento e gestão do Parque Natural, nomeadamente em relação à gestão florestal, ao licenciamento de eólicas na área do Parque, em relação à caça de grande porte e às vedações e aos meios humanos existentes, nomeadamente para garantir a vigilância deste património natural e salvaguarda da Lei.
Relativamente a esta última questão, confirmaram-se as preocupações da CDU que os dois partidos da coligação (PCP-PEV) há muito denunciam: A falta de meios humanos e logísticos para a vigilância desta área protegida é uma realidade gritante.
O Parque Natural da Serra de São Mamede com 56.000 ha de extensão, tem apenas 5 vigilantes da natureza, o que é manifestamente muito pouco para cumprir com a missão de vigilância e proteção da natureza e da biodiversidade incumbida a esta estrutura.
Por outro lado, a limitação de contratação imposta à Função Pública decorrente das políticas de austeridade acordadas com a Troika pelo PS/PSD e CDS, impossibilita a contratação dos técnicos necessários para a gestão adequada desta área protegida e para o cumprimento pleno das suas tarefas.
Por outro lado, a CDU está cada vez mais convicta que a opção política que e ditou o fim à Direcção individualizada de cada área protegida e que agrupou várias áreas classificadas sob uma mesma direcção, não visava melhorar a gestão das áreas protegidas, teve somente em conta razões de ordem economicista.
Portalegre, 19 de Agosto de 2015

Pl’o Gabinete de Imprensa de “Os Verdes”

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

ARNEIRO (Nisa): Quercus alerta para centenas de quilos de lagostins mortos no rio Tejo

A associação ambientalista Quercus alertou hoje para a existência de centenas de quilos de lagostins mortos no Tejo, na zona do Arneiro, Vila Velha de Ródão, e garantiu que a água do rio se encontra "preta" devido à poluição.
"A água está com uma cor preta, escura, e os lagostins que estavam nas armadilhas dos pescadores estão todos mortos. São centenas de quilos", disse hoje à agência Lusa Samuel Infante, da Quercus.
Segundo o ambientalista, o alerta foi dado pelos próprios pescadores da zona, cerca das 10:00. Adiantou também que o Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) da Guarda Nacional Republicana (GNR) de Castelo Branco e de Nisa já está a caminho de Vila Velha de Ródão.
"Infelizmente, apesar dos alertas e das denúncias, estas situações continuam a ocorrer. Sabemos que o Ministério Público está a tomar algumas diligências e a Quercus está também a preparar uma ação judicial".
Samuel Infante sublinha que o crime compensa: "Pagar multas não resolve a situação, têm que ser tomadas outras medidas mais eficazes".
O ambientalista disse ainda que "continuam a fazer-se descargas e os resultados estão aí, com a agravante de que se está num período de seca e que há um caudal menor [no rio Tejo] vindo de Espanha".
Nestas condições, as fontes de poluição "atingem ainda níveis de concentração mais elevados. Se o caudal do rio fosse maior, o impacto não seria tão grave", concluiu.
In LUSA – 19/8/2015

O ALENTEJO É UM JARDIM (3)

Ponte de Sor - Festa da Salgueirinha (antiga)

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

OPINIÃO: “Quando uma porta se fecha abre-se sempre uma janela. Será?”

 A afirmação que assumo como título deste texto, o último a ser subscrito como Coordenador da USNA/cgtp-in é a transcrição de um ditado popular usado na nossa região.
A dúvida colocada é justificada tão só pela proximidade da data em que deixo a coordenação da União e procuro "acertar o passo" com o que quero que seja o meu futuro imediato.
Os projectos, em particular os que deixaram de ser projectos de vida para se assumirem como o projecto de uma vida, como foi o caso, marcam-nos sempre, mesmo que o não queiramos admitir. Este não foi diferente, tanto mais que o Movimento Sindical de classe e a União fazem parte da minha vida desde a juventude. Foram a  família mesmo antes de ter constituído a minha família.
Quando casei em 1980, quando nasceram os meus filhos, hoje com 34 e 31 anos, os meus dias ( e tantas vezes as noites) eram guiados a partir da velha sede da União, na travessa da liberdade, no edifício onde hoje está sedeada a delegação local do Novo Banco.
Ali, com outros camaradas e amigos, desenhei o programa das comemorações do 1º de Maio de 1978 e com o Joaquim Miranda então à frente do Secretariado Distrital das UCP's e Cooperativas e o António Ramos do Sindicato Agrícola, preparámos a vinda e distribuição das máquinas agrícolas oferecidas pela União Soviética às cooperativas do distrito.
Ali, com dezenas de outros camaradas, defendemos o edifício perante a turba enraivecida convocada pela CAP para o Rossio, naquela que seria a primeira manifestação da CAP a sul do Tejo. 
Foi ainda a partir daquele edifício, onde estavam sedeados o Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura, o Secretariado das UCP´s e Cooperativas e a União dos Sindicatos do Distrito de Portalegre, que planificámos, coordenámos e dirigimos a primeira Greve Geral realizada no pós 25 de Abril.

Foram trinta e sete anos de intensa actividade em que percorri com muitos outros o caminho que une a minha condição de jovem acabado de deixar o serviço militar obrigatório (os vencedores do 25 de Novembro passaram-me de forma compulsiva à disponibilidade a 2 de Dezembro de 1975) e profundamente empenhado no processo revolucionário e em particular no desenvolvimento das Unidades Colectivas de Produção Agrícolas, ao homem que ultrapassou os sessenta, marido, pai e avô que continua a acreditar que os homens e mulheres, todos e todas hão-de um dia libertar-se das grilhetas e, como dizia o poeta referindo-se ao Alentejo, hão-de cantar!
Agora aos 24 dias de Junho de 2015, 37 anos depois daquela noite de Fevereiro de 1978, é preciso aprender a gostar de mim. Aprender a libertar-me dessa carapaça que me acompanhou ao longo de décadas e a tornar possível que sejam outros e outras, jovens, entusiastas e sonhadores a assumirem o seu papel.
Procurar (acreditem que não vai ser fácil) estar disponível se solicitado sem atrapalhar quem ficou e assumir novos projectos e batalhas.
Diogo Serra - 2015-06-24

O ALENTEJO É UM JARDIM (2)

Alpalhão (Nisa): Trajes tradicionais no Domingo Gordo (Carnaval)