terça-feira, 21 de março de 2017

14º Portalegre Jazz Fest

Na sua 14ª edição, o Portalegre JazzFest volta a abrir o seu programa à diversidade do jazz dos nossos dias, tendo como único denominador comum dos vários projectos apresentados precisamente a sua contemporaneidade. São muitas as pontes estabelecidas pelas formações que vão actuar no CAEP – do jazz com a sua própria história e com uma ideia de futuro, do jazz com a pop, a folk, a música clássica contemporânea, a música livremente improvisada, o rock e o mais que venha a propósito ou mesmo a despropósito, sem tabus. Se o segundo fim-de-semana do festival é dedicado à cena norueguesa, com projectos fortes como Ballrogg e Friends & Neighbors, o jazz nacional marca igualmente uma relevante presença. A parceria entre João Hasselberg e Pedro Branco tem levantado algumas consideráveis ondas por onde passa e a que junta Pedro Sousa e Gabriel Ferrandini vai fazer-se sentir nas próprias ruas de Portalegre, pois irá tocar para os transeuntes, sem se fazer anunciar. Como é de tradição, com todo este jazz chegam provas de vinhos e produtos regionais, na ideia de que alimentar os ouvidos funciona melhor quando também há uns petiscos para o estômago e uma boa pinga do Alentejo.
24 MAR. SEX. 21.30H
SHELTER
14º Portalegre JazzFest | GA | 6 €  / Passe 20 € (com oferta de 4 CDs) | M/4 anos
NATE WOOLEY Trompete
KEN VANDERMARK Saxofones tenor e barítono, clarinete
JASPER STADHOUDERS Baixo elétrico e guitarra
STEVE HEATHER Bateria
O projeto Shelter é apresentado pelos seus músicos como “o som do futuro, agora”. E assim é de facto, ainda que as premissas da música que tocam venham do passado. Estão elas no free jazz mais vernacular (aquele da transição da década de 1950 para a de 60 e que teve Ornette Coleman como principal arquiteto), e no pós-punk dos anos 1980, representado por bandas como This Heat ou The Fall.
O grupo é novo, mas decorre de uma série de cumplicidades anteriores e paralelas à sua constituição. Wooley e Vandermark (este no seu regresso ao Jazzfest), têm um duo desde 2013, já com dois álbuns editados. Vandermark e Stadhouders trabalham juntos nos Made to Break desde 2014, e o rasto que este coletivo está a deixar teve no início de 2017 o seu quinto disco. Por sua vez, Heather  contribui decisivamente para o International Improv Ensemble, de Jasper Stadhouders (do qual, acrescente-se a título de curiosidade, faz parte o português Luís Vicente). Ou seja, se a fórmula Shelter está fresca ainda, beneficia do sólido conhecimento que os seus promotores têm uns dos outros, e daí que cada um pareça adivinhar o que os demais vão fazer a seguir. Energia, liberdade e arrebatamento são as palavras-chave para descrever a música elétrica e cheia de riffs destes quatro magníficos.

25 MAR. SÁB. 21.30H
João Hasselberg & Pedro Branco
14º Portalegre JazzFest | GA | 6 €  / Passe 20 € (com oferta de 4 CDs) | M/4 anos
JOÃO HASSELBERG Contrabaixo
PEDRO BRANCO Guitarra
AFONSO CABRAL Voz
ALBERT CIRERA saxofone
JOÃO PAULO ESTEVES DA SILVA Piano
JOÃO LENCASTRE Bateria
A revista online norte-americana All About Jazz escreveu sobre o álbum “Dancing Our Way to Death” que é difícil definir a música que nele é tocada. Tenta a designação “jazz de câmara”, à falta de melhor rótulo, acrescentando ainda que o disco tem tanto de folk e de rock quanto de jazz, em linha, de resto, com o que ouvimos nos mais recentes projetos de João Hasselberg e Pedro Branco. E o que ouvimos interseta a tradição do jazz, aceita contributos da música dita clássica, incorpora o formato da canção popular e atravessa tudo isso com uma atitude renovadora a que não é estranho um conhecimento das vanguardas do jazz e de outras músicas urbanas do nosso tempo.
Diz esta parceria de músicos de Lisboa que a sua premissa foi, e é, “não excluir nenhum caminho interpretativo à partida”. E acrescenta: “tentámos ter presente uma liberdade entre nós dois, durante a criação e a execução, e ao mesmo tempo passá-la aos outros músicos que convidámos para esta aventura”. No palco, com eles, estará a maior parte do grupo que os acompanhou no estúdio, designadamente Afonso Cabral, Albert Cirera, João Paulo Esteves da Silva (de volta ao Jazzfest) e João Lencastre, todos eles conhecidos por não terem uma visão monolítica do jazz. Ou seja, a música que se vai ouvir ao vivo, tal como no CD, desfez-se de preconceitos e ganhou originalidade.
24 e 25 MAR. SEX e SÁB. 23.30H
PeterGabriel
14º Portalegre JazzFest | Bar Gémeos | Entrada Livre | M/12 anos
PEDRO SOUSA Saxofone tenor
GABRIEL FERRANDINI Bateria
O duo de Pedro Sousa e Gabriel Ferrandini existe praticamente desde a adolescência de ambos os músicos, quando se conheceram na linha de Cascais e começaram a ouvir discos e a tocar juntos. Se mais tarde cada um deles seguiu o seu próprio caminho (Sousa entregando-se à eletrónica, com o projecto OTO, partilhado com outro amigo de juventude que também ganhou projecção pública, Pedro Lopes; e Ferrandini, aterrando no jazz e na música livremente improvisada do Red Trio e do Motion Trio, de Rodrigo Amado, depois de ter experimentado o punk, o ska, a bossa nova e mais). O certo é que, volta e meia, foi surgindo a oportunidade de voltarem a essa célula de trabalho original, a primeira de todas. O nome PeterGabriel para os identificar surgiu entretanto, e com uma tónica de ironia. Não que o universo do antigo vocalista dos Genesis estivesse assim tão fora do seu alcance. Pedro e Gabriel fizeram concertos e gravaram discos com Thurston Moore, fundador dos lendários Sonic Youth, e com Johan Berthling, membro da banda de culto sueca Tape.
Pelo caminho, Pedro Sousa trocou o sampling e a guitarra elétrica dos seus inícios pelos saxofones, formulando uma linguagem herdeira das de Peter Brotzmann e Mats Gustafsson, com incorporação das técnicas extensivas e de respiração circular, que definem as novíssimas correntes da improvisação experimental (chegou a ter lições de Jean-Luc Guionnet); e Gabriel Ferrandini estabeleceu uma abordagem muito pessoal da bateria, toda ela feita de texturas e dinâmicas desenfreadas. O jazz é o seu chão comum, mas no que fazem estão todas as músicas que também amam, para além do jazz, indo da MPB ao hip-hop alternativo, com tudo o que se pode imaginar pelo meio. Só que não é fácil reconhecer cada uma, tão misturadas ficam e tão sem casca, sem aparência, porque o que lhes interessa é mergulhar fundo no miolo do som.
31 MAR. SEX. 21.30H
BALLROGG
14º Portalegre JazzFest | GA | 6 €  / Passe 20 € (com oferta de 4 CDs) | M/4 anos
KLAUS ELLERHUSEN HOLM Saxofones, clarinete & field recordings
ROGER ARNTZEN Contrabaixo
DAVID STACKENÄS Guitarra
Num tempo de misturas de linguagens musicais, o trio Ballrogg não só está em linha com a tendência geral, como leva esta a desfechos que, expostos em papel, parecem improváveis. A música tocada por Klaus Ellerhusen Holm, Roger Arntzen e David Stackenäs pode ser descrita como a combinação do tipo de jazz elaborado, mas aberto, cunhado por figuras históricas como Eric Dolphy e Paul Bley, com a new music não-linear e indeterminista de um Morton Feldman e aquilo a que se convencionou chamar de Americana, associando em si folk, country e blues.
Todas estas referências vêm do outro lado do Atlântico, mas juntas, e da maneira como as ouvimos, têm o traço distintivo da música criativa que nos dias de hoje está a ser praticada na Escandinávia – tanto assim que ninguém mais no mundo poderia fazer com que algo assim de tão bizarro resultasse tão natural. Não surpreende, aliás, que um dos discos deste grupo tenha como título “Swedish Country”. Mas há mais nos temas dos Ballrogg, para além destas coordenadas, evitando a formulação de uma simples receita pronta a ser indefinidamente reproduzida: algumas situações musicais têm um formato neoclássico, lembrando os Clogs, e outras ganham uma dimensão eletroacústica com características ambientais e de paisagismo sonoro que nos remete para Philip Jeck.
1 ABR. SÁB. 21.30H
Friends and Neighbors
14º Portalegre JazzFest | GA | 6 €  / Passe 20 € (com oferta de 4 CDs) | M/4 anos
ANDRÉ ROLIGHETEN Saxofone tenor e clarinetes
THOMAS JOHANSSON Trompete
OSCAR GRÖNBERG Piano
JON RUNE STRØM Contrabaixo
TOLLEF ØSTVANG Bateria
Quando muitos defendem que o free jazz não pode ser melódico, os Friends & Neighbors fazem o contrário. E quando se espalha a noção de que homenagear os grandes nomes dessa corrente histórica do jazz, designadamente Ornette Coleman (a quem pilharam o nome do grupo), Archie Shepp, Pharoah Sanders e John Carter, impede que se toque uma música própria dos nossos dias, os noruegueses André Roligheten, Thomas Johansson, Oscar Grönberg, Jon Rune Strøm e Tollef Østvang provam o contrário. Em poucos casos, como o deste projeto vindo da Escandinávia, se pode dizer que a música do presente é feita com um ouvido no passado e o outro no futuro.
O neo/pós-free jazz dos Friends & Neighbors professa uma ideologia coletivista, em que os indivíduos que o criam têm espaço para encontrar a sua liberdade pessoal. Podem todos estar harmolodicamente combinados, à maneira de Coleman, mas este quinteto é na realidade a soma dos que o integram. Quando é a diminuição que se decide, por subtração de vozes em determinadas passagens, permanece a identidade do conjunto. Este procedimento resulta numa música que é livre de facto, mas flui com a cadência permanente de um rio. Improvisar, com estes músicos, não é deixar as coisas ao acaso e sim tornar o acaso numa forma de determinação.

31 MAR e 1 ABR. SEX e SÁB. 23.30H
Party Knüllers
14º Portalegre JazzFest | Bar Clube Lounge | Entrada Livre | M/12 anos
FRED LONBERG-HOLM Violoncelo, guitarra, eletrónica
STÅLE LIAVIK Bateria
Party Knüllers, assim se chama o duo de jazz de “garagem” e experimental formado por Fred Lonberg-Holm, uma das figuras de proa da cena de Chicago, e por Ståle Liavik, uma das forças motrizes da improvisação norueguesa, caracterizado por “uma obsessiva e divertida necessidade de inventar e explorar novos sons e novas formas de comunicação musical”, segundo a imprensa especializada. A abordagem que Lonberg-Holm faz do violoncelo já foi comparada com o que faz Thurston Moore, o guitarrista dos já defuntos Sonic Youth (que vêm introduzindo no rock um enorme fascínio pelo free jazz). Como este, o seu estilo pessoal é rico em harmónicos fragmentados, proporcionados pelo uso extensivo do pedal de distorção e pela eletrónica. Liavik é, pelo seu lado, conhecido por dar tensão às situações musicais em que se insere, por meio do seu entendimento fragmentário do ritmo e da percussão.
Se a dupla é nova, as colaborações entre estes músicos vêm de trás, quando ambos tocavam nos VCDC, de Frode Gjerstad e Stine Janvin-Motland, nos Gorilla Ass Piano, de Per Zanussi e em formações de Keefe Jackson e Jim Baker. Neste jazz do século XXI, cabem o rock, a música de dança, a improvisação livre e muito mais, ou não fossem esses os ingredientes do entendimento jazz, tanto em Chicago como em Oslo, cidades de referência da atual música criativa. Só músicos como estes poderiam ter tocado tanto com os Wilco (Lonberg-Holm), como com Phil Minton (Liavik).