quarta-feira, 18 de setembro de 2019

ALPALHÃO: Festival Internacional de Acordeão


PORTALEGRE: Teatro de revista com Carlos Cunha

28 SET. SÁB. 21.30H
“É Tudo ao Molho e Fé em Deus”
Teatro Comédia | GA | 12.5€ | M/14 anos
Depois da “Grande Ressaca”, Alberto (Carlos Cunha), abandonado por todos, acabou por viver uma relação com Daisy, um travesti. A relação foi fugaz. Mas intensa. E Alberto é hoje um homem sozinho, amargurado e sobretudo… baralhado, quanto à sua verdadeira orientação sexual.
Óscar, tio-padrinho de Alberto, ao saber que Alberto está sozinho, decide ajudá-lo e envia para a Lisboa a sua filha Lúcia – uma beata encalhada de quase quarenta anos –, para auxiliar nas tarefas domésticas e convencê-lo a ir viver para a província. Acontece que, uma vez em Lisboa, a própria jovem aldeã quer tudo, menos voltar para lá…
“É Tudo ao molho e fé em Deus” é, então, uma comédia de portas, de humor abrangente e com um frenético entra-e-sai (à imagem da “Grande Ressaca”), que aborda o amor, as relações, as relações sem amor, e o amor sem relações… onde fica provado que em uma hora e meia o coração das pessoas pode dar uma grande volta.
Resta saber se para melhor…
Elenco: Carlos Cunha, Érika Mota, Frederico Amaral, Elia Gonzales e Lígia Ferreira
Encenação e Direção de Atores: Carlos Cunha
Direção Plástica (Desenho de Figurinos e Cenografia): Helena Reis

NISA: Torneio de Veteranos evoca atleta alpalhoense


PORTALEGRE: Residência Artística “Conviver na Arte - A Joalharia e a Pintura Mural"

A Residência Artística "Conviver na Arte - A Joalharia e a Pintura Mural", irá decorrer de 13 a 22 de setembro.
Os 12 alunos participantes nesta Residência, são na sua maioria espanhóis, sendo também um dos formadores natural do país vizinho, o que denota o interesse e a relação especial, em termos culturais, que Portalegre tem com Espanha, num diálogo transfronteiriço que abrange diversos eventos e épocas do ano.
No final da Residência, será mostrado ao público um mural, pintado junto ao Bairro das Carvalhinhas, com inauguração no dia 22, às 10h00. Também os trabalhos de Joalharia realizados pelos alunos, estarão expostos no Castelo de Portalegre, evento que será feito em conjunto com alunos da conceituada escola Ar.Co., no dia 21, com inauguração, às 19h00.
Também integrada na Residência Artística, decorrerá a I Bienal de Joalharia Contemporânea de Portalegre, que se realiza nos dias 20, 21 e 22 de setembro.
A Bienal, com o seu centro no Museu da Tapeçaria de Portalegre Guy Fino, irá também decorrer em outros equipamentos culturais da cidade, nomeadamente a Biblioteca Municipal, o Espaço Robinson (Núcleo Museológico da Igreja do Convento de São Francisco) e o Castelo.
Do vasto e multicultural programa que compõe a I Bienal de Joalharia Contemporânea de Portalegre, destaque para a conferência “Joalharia Contemporânea”, a realizar no dia 21 de setembro, às 12h00, no Auditório do Museu da Tapeçaria de Portalegre Guy Fino.
Também irão decorrer, nos diversos espaços que recebem este evento, exposições de joalharia, concertos de folk, de jazz e flamenco, debates, sessões de meditação e exposições de fotografia.
A Residência Artística "Conviver na Arte - A Joalharia e a Pintura Mural" é cofinanciada pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), através do programa INTERREG VA España-Portugal (POCTEP) 2014-2020, designadamente do projeto 0363_1234REDES_CON_6_E, enquadrado no Eixo 3 – crescimento sustentável através da cooperação transfronteiriça, reforçando a componente da cooperação com Espanha e a consolidação de redes e parcerias existentes.

Évora Creative Market no Pátio de S. Miguel

Nos dias 20 e 21 de setembro, o emblemático Páteo de São Miguel é palco da terceira edição do Évora Creative Market. O Évora Creative Market é um mercado urbano de produtos de autor, originais e criativos, nas áreas do design, decoração, moda, cerâmica, joalharia e gourmet.
O Évora Creative Market é também um ponto de encontro com programação e atividades para todas as idades: concertos, desportos radicais, oficinas de olaria, tecelagem e cestaria e projetos de street food.
No primeiro dia, sexta-feira, o destaque musical é para o concerto dos Oxibah, às 21h30, que nos trazem do Brasil uma linguagem musical inovadora entre o choro, o samba e o jazz. Na tarde de sábado a música ao vivo fica a cargo de Buba Espinho e à noite, às 22h00, o encerramento do Évora Creative Market é assinalado com um concerto intimista da cantora Márcia
O Évora Creative Market é um evento da Fundação Eugénio de Almeida que procura com esta iniciativa dinamizar o espaço urbano e valorizar o património da cidade, centrando-se no secular Paço de São Miguel. Monumento Nacional e um exemplar raro do Renascimento em Portugal o Paço de São Miguel constitui pela sua relevância artística e arquitetónica um excelente pano de fundo não só para os projetos que estarão presentes nesta mostra, mas também para o programa diversificado de atividades paralelas que animará os dois dias do certame. O Évora Creative Market é também um ponto de encontro das famílias de Évora, do Alentejo e de todo o país.

quarta-feira, 4 de setembro de 2019

MONTALVÃO: Festas da Vila e Romaria da Senhora dos Remédios


VOGAR CONTRA A INDIFERENÇA: 10 Anos em defesa do Tejo


PORTALEGRE: V Congresso Ibero-Americano de Empreendedorismo, Energia, Ambiente e Tecnologia (CIEEMAT) e 3rd Bioenergy International Conference


Na qualidade de Coordenador do VALORIZA / Instituto de Politécnico de Portalegre tenho a honra de convidar V. Exa. a estar presente na sessão de abertura do V Congresso Ibero-Americano de Empreendedorismo, Energia, Ambiente e Tecnologia (CIEEMAT): http://www.cieemat.com e 3rd Bioenergy International Conference (http://www.bioenergy-conference.com), a realizar no dia 11 de setembro, pelas 9h00, no Auditório do Campus Politécnico em Portalegre.
As comissões organizadoras contam com investigadores do VALORIZA / Instituto Politécnico de Portalegre, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET/RJ, Brasil), Instituto Politécnico de Bragança, Universidade de La Coruña, Universidade da Extremadura, AreanaTEJO e com o apoio técnico da Theorem Conferences.
Estes eventos, de caráter internacional, contam já com algumas atividades confirmadas no programa, como é o caso da conferência plenária de abertura a proferir pelo Professor Doutor Francisco Gírio, Investigador Principal e coordenador da unidade de Bioenergia do LNEG (Laboratório Nacional de Energia e Geologia), e da mesa redonda iniciada pela plenária do Professor Doutor Luís Pais, Vice-Presidente do Instituto Politécnico de Bragança, com o título: “Internacionalização e desenvolvimento dos territórios do interior: oportunidades, boas-práticas e dupla diplomação”.
Muito nos honrará a presença de V. Exa.

Teatro, música cabo-verdiana e bandolim salentino sob o céu de Odemira

O Festival Sete Sóis Sete Luas, promotor das artes e das culturas do Mediterrâneo e do mundo lusófono, com o apoio do Município de Odemira, volta um vez mas mas para celebrar a sua XXVII edição.
O Festival começa no dia 13 de Setembro com dois eventos imperdíveis. Às 19 na Zona Ribeirinha o artista circense catalão Yldor Llach (Espanha) apresenta um original e incrível espectáculo de bicicleta acrobática, “Sobre Ruedas” onde interage de uma forma natural e dinâmica com o público e onde as suas virtudes de acrobata ganham a admiração incondicional de participantes de todas as idades, desde os mais jovens aos adultos.
Às 21h30 na Cine – teatro Camacho Costa o espetáculo de Leo Bassi. Reconhecido mundialmente pelas suas extravagantes atuações de teatro e pelas suas ações provocatórias, Leo Bassi pertence a uma antiga família de atores excêntricos e de palhaços circenses oriundos de Itália, França e Inglaterra. É considerado um moderno criador de um estilo muito pessoal de comédia transgressiva, física e intelectual, com uma extraordinária capacidade de improvisar com o público. O seu trabalho desenvolveu-se em diferentes direções, tanto em teatros como em grandes eventos ao ar livre, em programas de televisão de todo o mundo e também em espetáculos realizados em autobuses ou barcos.
No 14 de setembro às 21h30 no Cine-Teatro Camacho Costa será apresentada a Brava7LuasBand. Esta produção original do Festival Sete Sóis Sete Luas conta com a participação de 5 prestigiados músicos da ilha da Brava.
O repertório do grupo defende a tradição musical da ilha das flores, conhecida pelas mornas e pela poesia de Eugénio Tavares, utilizando o crioulo, que confere aos temas uma emoção especial e harmoniza músicas tradicionais, composições originais e novos arranjos inspirados na cultura da ilha da Brava. Os 5 músicos, a cantora Rosa Borges, Carlos Lobo no cavaquinho, Zeca Barbosa na bateria, Zé Duarte na guitarra, Isaque Delgado no baixo, foram dirigidos musicalmente pelos mestres Efren Lopez (Valencia) e Sofia Neide (Portugal).
No 15 de Setembro o Cine- Teatro Camacho Costa ás 21h30 vai acolher o concerto de Mimmo Epifani & The Barbers. O virtuoso mandolinista e incrível front man Mimmo Epifani apresenta um extraordinário repertório original ligado a instrumentos de corda como bandolim, mandola, mandoloncello e aos instrumentos étnicos utilizados nos salões de barbeiros do Salento (no sul da Itália). 
A musicalidade instintiva e profunda de Mimmo, ligada a raízes antigas, torna este musico um artista de nível internacional e inspirado nas músicas de todo o Mediterrâneo. Mimmo colaborou com grandes artistas como Massimo Ranieri, Eugenio Bennato, Antonio Infantino, Ambrogio Sparagna, Avion Travel. Nos últimos anos é um das protagonistas mais importantes da Notte della Taranta, o grande Festival dedicado à música do Salento.
No final desta vigésima sétima edição, no 27 de Setembro às 15h no Biblioteca Municipal José Saramago vai ser inauguarada a exposição de artes plasticás do artista Pedro Orozco. 
Pedro Orozco Tristan começou timidamente com a aguarela como meio de expressão, após muitos anos de desenho e descobriu com surpresa que, para ele, não havia uma forma melhor de criar uma composição, porque a rapidez da técnica coincidia com a velocidade com que o seu cérebro a obrigava a tornar-se realidade. Rapidamente aplicou o seu conhecimento para colocar os objetos no espaço e, por último, procurou a luz, que saía de toda a parte, e encontrou-a a rodos.Pedro conta com uma linguagem própria. Na sua obra não temos de procurar as cidades que visitou, as paisagens por onde deambulou nos últimos anos, sendo evidente que são muitas e que estão nos portos do Mediterrâneo, nas medinas marroquinas ou nos elétricos lisboetas que protagonizam as suas aguarelas. Temos de procurar a sua linguagem criativa, a sua relação com o meio, com as pessoas ou com as máquinas.
Todos os espetáculos são com entrada livre

ALPALHÃO: Fim de semana radical