sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Poetas do Alentejo - Luís Filipe Maçarico

No cripto-pórtico d Mértola
I
Quantos ditosos
trazendo flor de oliva
em seus cabelos
provaram do teu pão,
ó prodigioso celeiro?
II
Quantas bocas
sarracenas se
dessedentaram
                                                          em tua água silvestre,                                                      
ó rumorosa cisterna?
III
Quanta fatal decisão
em nome da Santa Cruz
no teu ventre vazou proscritos,
ó sombra prisão?

Luís Filipe Maçarico (Mértola, 31-12-1994)